Em 1925, a empresa francesa de correio aéreo Latécoère pretende estender sua linha até a América Latina. Com a venda de ações a Marcel-Bouilloux Lafont, em 1927, rico empresário estabelecido no Brasil, essa empreitada se realiza sob novo nome: Aéropostale. Assim, várias escalas foram implantadas na costa do Brasil, incluindo-se a cidade de Florianópolis, Ilha de Santa Catarina. Tais pontos de abastecimento eram aeródromos com TSF (comunicação sem fio), hangar e uma casa de pilotos. Mas eram os primórdios da aviação no mundo e os pilotos franceses que se aventuraram nessa árdua e perigosa tarefa tornaram-se heróis. Entre eles, estavam os ases: Jean Mermoz, Paul Vachet, Henri Guillaumet, Marcel Reine, Henri Delaunay etc. Constava dessa longa lista Saint-Exupéry que, além de piloto, tornou-se o “poeta da aviação” e viria a ser um dos escritores mais célebres do mundo com sua obra, em especial, “O Pequeno Príncipe”, um dos livros mais traduzidos no mundo.

Antoine de Saint-Exupéry, uma vez deslocado para trabalhar em Buenos Aires (1928-1930), chegou a pousar algumas vezes em Florianópolis. Por ali, tornou-se conhecido entre os ilhéus como “Zeperri”, pois tinha um nome de difícil pronúncia. “Zeperri” passou a fazer parte da História e do imaginário da cidade. Atualmente, uma pousada em Florianópolis, na praia do Campeche, leva o nome abrasileirado do grande escritor, a Pousada Zeperri, onde se situa uma exposição permanente sobre o tema da aventura Aéropostale. Saint-Exupéry citou Florianópolis no seu livro Vôo noturno.

Saint-Exupéry no Campeche: o Zeperri

No Campeche, preserva-se o terreno que foi o aeródromo e ainda está de pé a casa de pilotos, que os pescadores acabaram por designar “popote” (“refeição”), palavra que muito ouviam dos pilotos e mecânicos. Atrás do antigo campo de pouso, encontra-se o “morro do lampião”, assim chamado porque os pescadores o escalavam a fim de acender lampiões que norteassem os pousos dos franceses à noite… E a principal avenida do bairro é a “Pequeno Príncipe”. Tantas lembranças permeiam e edificam a história da Ilha de Santa Catarina, bem como homenageiam o piloto-escritor que imortalizou a história da Aéropostale no Brasil e no mundo. É à recuperação dessa memória que se consagra o projeto “De Saint-Exupéry a Zeperri”.

O projeto cultural “De Saint-Exupéry a Zeperri”

Idealizado por Mônica Cristina Corrêa, PhD em literatura comparada (Brasil-França) pela Universidade de São Paulo, possui duas ações distintas e integradas, com características transversais que interligam o resgate histórico da presença dos pilotos franceses na década de 1920 em Florianópolis, a saber, o restauro do antigo casarão dos pilotos no Campeche e a realização de um vídeo-documentário sobre a passagem de Saint-Exupéry por Florianópolis.

Veja Também